Evidências de validade da Escala de Experiências Dissociativas (DES) em uma amostra não clínica

Maraldi, E. O.; W. Zangari. 2016. Evidências de validade da Escala de Experiências Dissociativas (DES) em uma amostra não clínica. In Avaliação Psicológica (Online), v.15, 92-104.

RESUMO

O objetivo deste artigo é apresentar as propriedades psicométricas, a estrutura fatorial e evidências de validade convergente da versão brasileira da Escala de Experiências Dissociativas (DES) em uma amostra não clínica. Participaram deste estudo 1450 respondentes (67,9% homens) com 18 anos de idade ou mais (M=29,32; DP=11,27), de vários estados brasileiros, que integraram um survey online sobre o papel das experiências dissociativas nas práticas religiosas e a relação com variáveis psicopatológicas e sociodemográficas. A análise fatorial exploratória indicou que a melhor solução seria trifatorial, tendo os fatores sido nomeados como: absorção, despersonalização-desrealização e amnésia. A versão brasileira da DES denotou consistência interna satisfatória. Também correlacionou positivamente com variáveis com as quais se esperava que correlacionasse, como sintomas conversivos e de somatização e relatos de experiências místico-religiosas. Pessoas com escore igual ou acima de 30 apresentaram média significativamente maior em abuso emocional, abuso físico e abuso sexual.

Palavras-chave: dissociação; precisão do teste; análise fatorial; correlação estatística.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *